O processo de indemnização aos familiares das quatro vítimas mortais do acidente com o helicóptero do INEM, ocorrido em dezembro em Valongo, ainda não está concluído, disse esta quarta-feira a ministra da Saúde.

O processo ainda está a decorrer. Aquilo que temos proposto é a possibilidade da ativação imediata de um seguro associado ao próprio INEM e isso ainda não foi realizado. Claro que isso envolve as próprias entidades seguradoras”, afirmou Marta Temido na Comissão Parlamentar da Saúde, em resposta ao deputado social-democrata Luís Vales.

A queda do helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) provocou a morte aos quatro ocupantes: dois pilotos, um médico e uma enfermeira.

A aeronave, uma Agusta A109S, operada pela empresa Babcock, regressava à sua base, em Macedo de Cavaleiros, Bragança, após ter realizado uma missão de emergência médica de transporte de uma doente grave para o Hospital de Santo António, no Porto.

O relatório preliminar da Proteção Civil apontou falhas à NAV Portugal, ao 112 e ao Comando Distrital de Operações de Socorro do Porto (Proteção Civil).