Trinta e cinco autocarros da Transdev Portugal foram vandalizados na madrugada desta quarta-feira, em Barcelos, com "cortes de correias, esvaziamento de pneus e outros atos de sabotagem”, denunciou a empresa.

Em comunicado, a Transdev acrescenta que “este incidente fez com que, por um lado, tivesse sido destruída a principal ferramenta de trabalho de dezenas de pessoas e, por outro, tenha sido arruinada a prestação de serviço público de mobilidade naquela região”.

A Transdev Portugal viu-se impedida de proporcionar o normal serviço público de transporte de passageiros a centenas de pessoas, nomeadamente crianças no caso do serviço do transporte escolar, a idosos nas idas a consultas aos hospitais e aos trabalhadores que se deslocavam para os seus postos de emprego, entre outros”, refere ainda o comunicado.

Segundo a empresa, os prejuízos são na ordem dos milhares de euros.

Os atos de vandalismo foram perpetrados em vários locais do concelho de Barcelos.

As autoridades policiais tomaram conta da ocorrência e estão a investigar.

O Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN) convocou uma greve dos motoristas que decorre desde segunda-feira, e se prolonga até ao dia 5 de abril, que abrange os profissionais da Transdev.

Segundo fonte sindical, Póvoa de Varzim, Famalicão, Barcelos, Guimarães, Braga, Fafe, Vizela e Paços de Ferreira são algumas das localidades mais afetadas pelo protesto, que no primeiro dia registou uma “adesão de 60%”.

Os trabalhadores, que reclamam um aumento salarial e a redução das “intermitências”, ou seja, das horas de paragem dos motoristas entre serviços, têm marcada para esta tarde uma manifestação no Porto, em frente às instalações da ANTROP – Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Pesados de Passageiros.