Uma operação conjunta das polícias de Espanha, Portugal e Itália conduziu à detenção de um "anarquista acusado de crimes de homicídio", para cumprimento de uma pena de 30 anos de prisão, informou esta terça-feira o Corpo Nacional de Polícia de Espanha.

Em comunicado, a polícia espanhola, que identifica o detido, de 52 anos e nacionalidade espanhola, pelas iniciais G.P.D.S, refere que a detenção foi feita no sábado em Monção, no distrito de Viana do Castelo e destaca as suas "ligações ao terrorismo insurrecional anarquista" e "o amplo histórico criminal dentro e fora" de Espanha.

Na nota, a polícia espanhola especificou que "o homem foi detido pela Polícia Judiciária (PJ) portuguesa, na sequência de um mandado de detenção europeu emitido pelas autoridades judiciárias de Espanha", realçando a cooperação das autoridades policiais italianas que realizaram "buscas no seu país, com vista à detenção do homem".

A polícia espanhola adiantou que as investigações decorrem desde meados de 2019, sendo que "as primeiras informações apontavam para a possibilidade de se encontrar escondido em Itália, por estar ligado ao terrorismo anarquista da F.A.I./F.R.I daquele país".

A cooperação entre as polícias espanhola e italiana permitiu "descobrir que o homem residia na fronteira entre Espanha e Portugal".

A colaboração com a PJ, adianta o Corpo Nacional de Polícia de Espanha, permitiu localização do homem e a sua detenção.

O mandado de detenção europeu foi emitido pelas autoridades judiciárias de Espanha por suspeita da prática dos crimes de homicídio, posse ilegal de armas, munições e explosivos, sequestro, roubo com recurso à força, roubo com violência, tráfico de drogas, extorsão e simulação de delito.

O arguido foi presente ao Tribunal da Relação de Guimarães e encontra-se agora em prisão preventiva a aguardar extradição.

Em 2004, em Espanha, o homem "protagonizou uma fuga à prisão, fugiu para a Alemanha onde foi detido após um confronto armado com as autoridades policiais daquele país".

Cumprida a pena a que foi condenado na Alemanha, o homem foi repatriado para Espanha, tendo sido libertado pelas autoridades espanhoflas.

Realizou conferências em todo o território espanhol sobre o movimento do terrorismo anarquista", refere a nota.

Apesar de viver na clandestinidade, para fugir à justiça, G.P.D.S. não parou de publicar escritos e manifestos em sítios na internet ligados ao terrorismo anarquista, autoproclamando-se líder do movimento.

/ HCL