Dois jaguares, uma das espécies animais mais ameaçadas da Nicarágua, foram salvos das mãos de traficantes, que tencionavam vendê-los a um comprador estrangeiro, na sequência de um alerta colocado nas redes sociais.

Os traficantes capturaram os felinos, uma fêmea e um macho de três meses, na região norte da costa das Caraíbas, após matarem a mãe dos dois juvenis, disse Eduardo Sacasa, diretor de um jardim zoológico que participou na operação de salvamento.

Os dois animais seriam vendidos a um comprador chinês, mas um alerta nas redes sociais, acompanhado de uma fotografia dos felinos enjaulados, contribuiu para boicotar o negócio.

O zoo contactou os traficantes, que aceitaram que Sacasa recuperasse os jaguares, mas sem a presença das autoridades.

Após uma viagem de avião, carro e barco, o diretor do zoo chegou à aldeia onde se encontravam os animais.

É a nossa paixão salvar animais em perigo de extinção", disse Sacasa ao chegar a Manágua com os felinos.

Numerosos animais selvagens perderam os seus habitats naturais na sequência dos danos causados em novembro pelas tempestades tropicais Eta e Iota.

Os jaguares são, juntamente com as antas, os animais mais ameaçados da Nicarágua, disse Sacasa.

Em cativeiro, os jaguares podem viver até 25 anos, enquanto no estado selvagem vivem apenas cerca de 10 anos devido à destruição dos seus habitats e à caça ilegal.

/ HCL