Dezenas de novas viaturas de combate a incêndios da GNR não podem ser utilizadas porque não têm potência para apagar fogos.

As carrinhas ao serviço da unidade especializada GIPS - grupo de intervenção, proteção e socorro - foram equipadas com uma bomba de água sem pressão suficiente.

Segundo o jornal Expresso, o defeito só foi detetado com as viaturas já na mão dos GIPS.

Por decisão do comando desta subunidade da GNR, as carrinhas não podem ser utilizadas e foram recolhidas para substituição das motobombas.

Esta anomalia encontra-se apenas nas viaturas de uma das duas marcas que forneceram os 80 novos veículos de combate a incêndios.

Governo: todos os veículos de combate “estão operacionais”

O secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, assegurou hoje que todos os veículos de combate a incêndios rurais "estão operacionais" e que estão distribuídos pelo terreno a nível nacional.

Os veículos estão operacionais e estão no terreno (…) e, portanto, estão a funcionar em pleno. Os contratos que foram estabelecidos entre o Estado através da entidade de contratação pública e os cadernos de encargos elaborados pela GNR, naturalmente que foram cumpridos no contrato que foi estabelecido", disse hoje o secretário de Estado da Proteção Civil.

José Artur Neves falava aos jornalistas na fronteira de Vilar Formoso, Almeida, no distrito da Guarda, à margem de uma campanha de sensibilização dos emigrantes para a segurança rodoviária e para a campanha Aldeia Segura e Pessoas Seguras.

O governante reagia assim à notícia do jornal Expresso: "Se há um pormenor ou outro [que] não esteja em condições, naturalmente que é assumido pela entidade contratada. Não temos dúvida nenhuma quanto a isso. Contudo, importa esclarecer: todos os veículos estão operacionais, nenhum está inoperacional", disse.

Segundo o secretário de Estado da Proteção Civil, os novos veículos "estão no terreno distribuídos pelos 40 Centros de Meios Aéreos e distribuídos pelas equipas de ataque ampliado que estão sediadas, nomeadamente em Mirandela, em Aveiro, em Viseu e em Loulé".

E estas equipas que receberam agora os primeiros veículos para ataque ampliado "vão receber na próxima semana mais dez veículos", anunciou.

"E, com isso, fica todo o dispositivo dotado dos equipamentos que tínhamos planeado, inclusive com os equipamentos de proteção individual", rematou.

José Artur Neves disse ainda que "todos os operacionais estão no terreno com os veículos necessários para combater os incêndios" e que sobre o assunto não há "nenhuma dúvida".

CDS-PP considera “graves e preocupantes" as anomalias 

O CDS-PP considerou hoje “graves e preocupantes” as anomalias nas novas viaturas de combate a incêndios da GNR, avançando que são “mais uma prova da forma incompetente” como o Governo geriu esta época de fogos.

“Estes factos são graves e preocupantes porque são mais uma prova da forma incompetente como o Governo geriu esta época de incêndios", disse à agência Lusa o líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães.

Sublinhando que o CDS-PP vai pedir esclarecimentos ao Ministério da Administração Interna (MAI) sobre a prontidão e segurança dos novos veículos de combate a incêndios do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR, Nuno Magalhães precisou que “o Governo falhou todos os prazos” e “compromissos em matéria de aquisição e prontidão do material”.

PSD quer esclarecimentos do MAI 

O PSD pediu hoje ao Ministério da Administração Interna esclarecimentos sobre as anomalias nas viaturas de combate a incêndios da GNR, avançando que esta situação também se verifica nos carros novos da Força Especial de Bombeiros.

O PSD quer que o ministro Eduardo Cabrita venha esclarecer tudo. Vamos incluir um conjunto de perguntas ao Governo sobre esta matéria e queremos saber qual o ponto de situação destas viaturas e qual a sua capacidade”, disse à agência Lusa o deputado do PSD Duarte Marques.

O deputado do PSD adiantou que, além dos problemas com as mangueiras, há também outro tipo de defeitos nas novas viaturas do GIPS da GNR, como também da Força Especial de Bombeiros (FEB).

 

/ (Atualiazada às 13:12 com Lusa)