Os nove detidos na megaoperação antidroga realizada na terça-feira pela PSP em quatro bairros da zona da Pasteleira, no Porto, saíram todos em liberdade, depois de ouvidos, esta quarta-feira, no Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto.

Dois dos arguidos vão aguardar o desenrolar do processo com termo de identidade e residência e os outros sete vão estar obrigados a apresentações periódicas às autoridades. 

O Ministério Público tinha pedido a presião preventiva para três dos nove arguidos, mas o pedido não foi satisfeito pelo juiz do TIC do Porto responsável pelo processo. 

A operação da PSP, desenvolvida na manhã de terça-feira nos bairros Pinheiro Torres, Pasteleira Nova, Pasteleira Velha eLordelo do Ouro, envolveu mais de 150 operacionais da Divisão de Investigação Criminal da PSP do Porto, Corpo de Intervenção e Unidade Cinotécnica da mesma força policial.

Incluiu a realização de 26 buscas, que permitiram a apreensão de algumas armas, “quantidade substancial” de drogas e 10 mil euros, segundo fonte oficial da PSP.

A ação policial suscitou de imediato uma reação de congratulação da Câmara do Porto, que considerou que a intervenção veio “dar resposta aos pedidos, feitos há muito pela autarquia” junto da tutela e da PSP.

Também a CDU local comentou a operação, considerando-a “insuficiente" e dizendo ser “essencial” implementar “um verdadeiro programa de Emergência Social" na zona.