Estima-se que cerca de 35 mil idosos residam em lares ilegais sem segurança, licenças ou apoios clínicos. 

Até setembro deste ano, a Segurança Social levou a cabo mais de 500 ações de fiscalização.

Às vezes as famílias têm tendência para despachar um idoso, ou porque não têm condições em casa, ou por um certo egoísmo. O que interessa é pagar pouco e não olham às condições", disse Padre Lino Maia, presidente da Confederação de Instituições de Solidariedade à TVI.

O número de ordens de encerramento aumentou de oito por mês em 2018, para dez lares encerrados em cada mês. Só este ano já foram fechados 93 lares ilegais, cujos preços praticados chegam a ser menos de metade do valor pago em lares legalizados.