Os militares da GNR destacados na ilha grega de Samos resgataram esta sexta-feira 30 migrantes, incluindo cinco crianças, que seguiam numa embarcação de borracha no mar Egeu.

Em comunicado, a Guarda Nacional Republicana indica que o resgate aconteceu às 07:00 e foi feito pelos militares da Unidade de Controlo Costeiro (UCC) destacados na ilha de Samos no âmbito da missão da Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira (Frontex).

A GNR explica que a embarcação de borracha que transportava os migrantes foi detetada pelos militares da UCC durante uma ação de patrulhamento, que de imediato se dirigiram para o local.

Segundo a corporação, seguiam no barco, com cerca de seis metros, 30 migrantes, cinco dos quais crianças, sete mulheres e 18 homens.

A GNR sublinha que, quando os militares se aproximaram da embarcação, era “percetível a angústia dos migrantes, nomeadamente, o choro das crianças que estavam visivelmente assustadas”.

Aquela força de segurança indica que todos os migrantes foram resgatados e colocados na embarcação da GNR, que deu prioridade às crianças e distribuiu produtos alimentares e água, uma vez que alguns deles apresentavam sinais de desidratação.

A GNR refere ainda que, após o resgate, os migrantes foram transportados “em segurança” para o porto grego de Pythagorio e entregues às autoridades gregas.

A Guarda Nacional Republicana realizou este ano mais de 620 patrulhas, o que corresponde a mais de 4.100 horas, e detetou cerca de 200 embarcações e 1.700 migrantes.

A GNR e a Polícia Marítima são as forças portuguesas em missões de salvaguarda de vida humanas no mar Egeu com a finalidade de prevenir, detetar e reprimir ilícitos relacionados com a imigração ilegal, tráfico de seres humanos e outros crimes transfronteiriços.