A Polícia Judiciária (PJ) anunciou hoje a detenção de 15 homens, com idades entre os 23 e os 60 anos, durante uma operação de combate à pornografia de menores na Internet.

As detenções, anunciadas em conferência de imprensa, resultaram de 25 buscas domiciliárias realizadas em distritos do território continental e nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira, no âmbito de uma operação "de grande dimensão" de combate à pornografia de menores na internet denominada '3P' (Portugal Ponto a Ponto).

Os 15 detidos serão agora presentes a vários tribunais do pais para aplicação das medidas de coação.

Durante as buscas, foram também apreendidos computadores, dispositivos de armazenamento de ficheiros, ‘smartphones’ e milhares de ficheiros que contêm pornografia e que serão analisados pela PJ.

A operação '3P' (Portugal Ponto a Ponto) resultou da junção de vários inquéritos num só, tendo participado todas as diretorias e departamentos da PJ e a Unidade de Perícia Tecnológica e Informática (UPTI).

Segundo Carlos Cabreiros, diretor da Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica da PJ, "cada vez mais estão a ser criadas entre países sinergias de partilha de informação para combater a pornografia na internet e há uma maior monitorização dos locais de partilha de conteúdos”.

Durante a manhã, a PJ anunciou em comunicado que a operação fez um "número significativo" de buscas, tendo sido coordenada pela UNC3T-Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica - com a participação de diretorias e departamentos de Investigação Criminal e da Unidade de Perícia Tecnológica e Informática (UPTI), além do DIAP de Lisboa e dos serviços locais do Ministério Público.

No mesmo comunicado, a PJ explicava que a intervenção policial decorreu de ações de monitorização de redes 'peer to peer' e de outras plataformas de comunicação, tanto na internet, como na 'darknet', que são "ilicitamente usadas pelos suspeitos para o cometimento dos crimes de pornografia e abuso sexual de menores".

A Judiciária alertou que os suspeitos destes crimes podem "atuar e interagir diretamente com os menores, por exemplo, em contexto de jogos online", além de colecionarem, promoverem, partilharem e até produzirem conteúdos de pornografia de menores, "que posteriormente alimentam as redes organizadas" e o abuso sexual.

Agência Lusa / HCL