Desde o início do processo de vacinação contra a covid-19 em Portugal foram identificados 43.751 casos em pessoas com esquema vacinal completo. Este valor corresponde a 0,5% do total de pessoas vacinadas, segundo o relatório das linhas vermelhas divulgado esta sexta-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS) e pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA).

Das pessoas infetadas, apenas 774 foram internadas com diagnóstico principal de covid-19, o que corresponde a 1,8% do total de casos em vacinados. Houve ainda 215 casos de pessoas internadas cujo covid-19 era diagnóstico secundário.

O risco de morte mantém-se residual, havendo 467 óbitos nos 43.751 casos, o que corresponde a 1,1%, sendo que 345 dessas mortes foram em pessoas com mais de 80 anos.

Relativamente aos óbitos, cujos dados são referentes apenas ao mês de setembro, a DGS e o INSA dizem que 126 das pessoas que morreram tinham esquema vacinal completo, o que corresponde a 58% das vítimas mortais, ainda que sublinhe que a vacina continua a ser eficaz em grande parte dos casos.

O risco de morte, que é medido através da letalidade por estado vacinal, é duas a quatro vezes menor nas pessoas com vacinação completa do que nas pessoas não vacinadas, de acordo com os dados de agosto, mês com os dados consolidados mais recentes", esclarece o relatório, que volta a mencionar os estudos de efetividade.

É importante relembrar os dados que mostram uma queda da eficácia nos mais idosos, o que pode estar relacionado com o aumento das mortes, que é sobretudo verificável nos mais velhos.

Em relação ao mês anterior em análise, realçamos um aumento ligeiro da letalidade nas pessoas com esquema vacinal completo, especialmente nos grupos dos 70 aos 79 anos (0,7% em Julho e 1,9% em Agosto) e dos 80 e mais anos (5,7% em Julho e 7,5% em Agosto)", pode ler-se.

 Sobre a hospitalização, também o passar do tempo e o aumento de população vacinada está a fazer crescer os números.

Os casos com esquema vacinal completo parecem apresentar um risco de hospitalização cerca de três a seis vezes inferior aos casos não vacinados", acrescenta o relatório das linhas vermelhas, que se reporta a dados consolidados até julho.

Dessa forma, DGS e INSA realçam um "aumento do risco de internamento das pessoas com esquema vacinal completo nos grupos dos 70 aos 79 anos (1,5% em Junho e 5,2% em Julho) e dos 80 e mais anos (5,2% em Junho e 11,1% em Julho)".

Lembra o relatório que estes são resultados que devem ser enquadrados com os estudos de efetividade, numa altura em que foi conhecido que a proteção das vacinas contra hospitalização nos mais idosos caiu para 60%.

António Guimarães