Portugal regista este domingo mais mortes e novos casos de covid-19, segundo o boletim divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

O boletim epidemiológico da DGS revela que estão internadas 3.027 pessoas, mais 54 do que no sábado, das quais 483 em cuidados intensivos, menos dois.

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 6.134 mortes e 374.121 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando ativos 70.754, mais 844 em relação a sábado.

As autoridades de saúde têm em vigilância 82.591 contactos, mais 3.088 relativamente a sábado.

Desde o início da epidemia em Portugal, em março, já recuperaram 297.233 pessoas, 2.419 nas últimas 24 horas.

Relativamente às 71 mortes registadas nas últimas 24 horas, o boletim revela que 25 ocorreram na região Norte, 22 na região de Lisboa e Vale do Tejo, 21 no Centro, duas no Alentejo, uma no Algarve e as Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores não tiveram qualquer óbito.

Segundo o boletim da DGS, a região Norte foi a que registou o maior número de novas infeções por SARS-CoV-2 nas últimas 24 horas (1.505).

Desde o início da pandemia a região Norte registou 194.052 casos e 2.898 mortes.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram notificadas 979 novas infeções, contabilizando-se até agora 120.724 casos e 2.113 mortes.

Na região Centro registaram-se mais 543 casos, acumulando um total de 40.891 infeções e 866 mortos.

Já no Alentejo, foram assinalados mais 164 casos, totalizando 9.068 infeções e 164 mortos desde que começou a epidemia em Portugal.

A região do Algarve tem notificados 63 novos casos, somando 6.589 infeções e 64 mortos.

A Madeira registou 31 novos casos. Desde março, esta região autónoma contabiliza 1.239 infeções e oito mortes.

Na Região Autónoma dos Açores foram registados sete novos casos nas últimas 24 horas, somando 1.558 infeções detetadas e 21 mortos.

Os casos confirmados distribuem-se por todas as faixas etárias, situando-se entre os 20 e os 59 anos o registo de maior número de infeções.

O novo coronavírus já infetou em Portugal pelo menos 168.032 homens e 205.953 mulheres, sublinham os dados da DGS, sendo que há 136 casos de sexo desconhecido, que se encontram sob investigação, uma vez que estes dados não são fornecidos de forma automática.

Do total de vítimas mortais, 3.192 eram homens e 2.942 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nas pessoas com mais de 80 anos, seguido das pessoas entre os 70 e os 79 anos.

António Guimarães / com Lusa