O secretário de Estado adjunto e da Saúde, Lacerda Sales, afirmou esta terça-feira que a vacina da Pfizer é eficaz contra a nova estirpe da covid-19.

Lacerda Sales explicou aos jornalistas que esta é uma variante que tem que ver "com uma proteína do vírus" que não interfere com a vacinação.

A vacina é efetiva também para essa e para outras variantes, com certeza", afirmou, remetendo mais explicações para a conferência de imprensa de atualização da pandemia em Portugal.

As autoridades de saúde confirmaram este domingo a presença da nova estirpe do vírus do Reino Unido na Madeira. A nova variante do SARS-CoV-2 não tem mais riscos de complicações hospitalares, nem de letalidade, mas é mais transmissível, o que a torna “mais preocupante”, afirmou a ministra da Saúde em conferência de imprensa no dia 21 de dezembro.

Também a Organização Mundial da Saúde já garantiu que a nova estirpe não deve afetar o impacto das vacinas no sistema imunitário e afirma que a situação não está fora de controlo. 

Lacerda Sales, que fez o balanço do terceiro dia da campanha de vacinação, diz que "este é um dia de luz ao fundo do túnel e de esperança e confiança para todos os portugueses".

Sobre a primeira fase do plano de vacinação, considera a inoculação dos profissionais de saúde muito importante, tanto do ponto de vista técnico, como do ponto de vista ético.

Cada vacina que damos a um profissional de saúde é uma garantia de resposta para a segurança de todos os portugueses", frisou.

Governo desvaloriza incidentes em Évora

Questionado pelos jornalistas no Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE), onde assistiu esta manhã ao início da vacinação dos profissionais de Saúde, o secretário de Estado lembrou que o Governo “já abriu um inquérito” sobre os alegados incidentes entre a PSP e a GNR na distribuição da vacina, na segunda-feira, nesta unidade hospitalar.

Trata-se de “uma matéria do Ministério da Administração Interna (MAI) e, portanto, não vou comentar”, disso o governante, frisando, contudo, que o arranque da vacinação é “a imagem que ficará, com certeza, para a História e que se sobreporá a todas as outras questões”.

A TVI noticiou, na segunda-feira à noite, que “um conflito de interesses entre PSP e GNR” terá impedido, durante algum tempo, “a saída” do HESE da carrinha que fazia a distribuição da vacina na região Sul do país, acabando a situação por ser resolvida “com uma escolta partilhada” entre as duas forças da autoridade.

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, determinou a abertura de um inquérito urgente por parte da Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) sobre estes “incidentes" em Évora no acompanhamento das vacinas.

A campanha de vacinação contra a covid-19 arrancou no domingo nos centros hospitalares universitários do Porto, Coimbra, Lisboa Norte e Lisboa Central.

O plano prevê que sejam vacinados até abril cerca de 950 mil pessoas dos grupos prioritários definidos pelo grupo de trabalho: pessoas com mais de 50 anos com doenças associadas, utentes e trabalhadores de lares e profissionais de saúde e de serviços essenciais.

Rafaela Laja