A decisão de optar por celebrar o 24 de março com os estudantes, em Coimbra, num protesto de "mãos atadas", "não foi bem recebida por algumas estruturas estudantis, que alegaram deslealdade institucional na atitude tomada", abalando a "harmonia" do movimento.