Uma menina foi abusada sexualmente durante quatro anos. Os abusos começaram quando Ema tinha nove anos e prolongaram-se até aos 13.

Na altura, o abusador e a criança atuavam na mesma banda filarmónica. A vítima sofreu durante vários anos em silêncio e acabou internada na ala de Psiquiatria de um hospital.

O agressor, de 30 anos, foi condenado a três anos de prisão com pena suspensa e hoje continua a fazer uma vida normal, como se nada tivesse acontecido.

Numa entrevista exclusiva ao SOS24, Ema, hoje com 19 anos, contou que tudo começou quando entrou para a Sociedade Filarmónica Perpétua Azeitonense, em Vila Nogueira de Azeitão.

Havia um indivíduo, que tocava trombone, que começou a criar isto que eu pensava amizade (…) Só que depois os meses foram passando e as coisas começaram a ficar intensas no aspeto físico (…) beijos, toques no pescoço, braços, coisas assim”.

A jovem explicou que ficava ainda mais exposta às investidas do agressor durantes as deslocações que a banda tinha de fazer para atuar em várias localidades.

Os membros da banda espalhavam-se e havia mais liberdade para pegar em mim, pôr-me num canto, falar comigo, estar mais comigo… De início, era um gesto amigável. Agora, quando olho para trás, consigo ver que começou por aí antes de entrar na fase mais complicada da situação”.

Ema passou por vários momentos difíceis e em silêncio. A família nunca desconfiou de nada.

Em entrevista ao SOS24, a mãe de Ema explica que o comportamento da filha começou a mudar de forma violenta.

A Ema, uns meses antes de eu descobrir, começou a tornar-se uma jovem muito agressiva (…) Era como se tivesse um botão em que carregava e se tornava uma pessoa completamente diferente. Queria agredir-nos. Gritava (…) eu não a reconhecia como a minha filha, transformava-se noutra jovem (…) Não sabia o que havia de fazer ou o que havia de dizer (…) Ela tornava-se tão violenta, utilizava a força de tal maneira, que nós chegávamos a ter medo de estar com ela, tanto eu como a irmã”.

O agressor acabou por ir a julgamento e foi condenado a três anos de prisão com pena suspensa. Tanto Ema como a família sentem que não foi feita justiça.

Todas as provas foram entregues e todas as provas foram confirmadas. Três anos de pena suspensa na minha cabeça não faz sentido (…) Eu pensei que ele iria pagar de alguma forma (...) Acho muito injusto porque não têm noção de como a vítima realmente fica", afirmou a jovem.

Ema sublinhou que até hoje não consegue explicar por que não contou a ninguém sobre os abusos.

Eu era uma miúda que estava a ser controlada e manipulada por um homem de sei lá quantos anos (…) Chegou uma altura em que não sabia o que havia de fazer. Ela tinha-me na mão. Ele brincava comigo como uma boneca de trapos".

Para Ema, a vida nunca mais foi a mesma. A jovem confessou que o tempo não apaga a dor e que os abusos deixaram marcas.

Nunca mais consegui relacionar-me com alguém do sexo masculino. Ainda hoje tenho problemas em lidar com o meu pai por causa disso. Muitas vezes um toque faz-me confusão, um simples abraço, uma simples mão no meu ombro (…) isso facilmente traz-me memórias más (…). Dá-me muito medo pensar em começar uma conversa com alguém do sexo masculino (…) E, por isso, tenho muita pena de não conseguir ter um contacto mais forte e mais aberto com o meu, porque as coisas conseguiram magoar-me até esse ponto”.