A realizadora Ana Rocha de Sousa revelou ter sido violada quando tinha 17 anos. “Foi em 1995 a história que não vos posso contar", começou por dizer, na quinta-feira à noite, na cerimónia de entrega de prémios Activa Mulheres Inspiradoras 2020 na qual foi galardoada. 

Com a voz embargada, a realizadora de "Listen" disse que sentia a obrigação de falar para alertar as raparigas.

“Um dia, também eu baixei a guarda e não devia. Culpei-me. Até porque era tão ingénua, própria da tenra idade, que, mesmo avisada com estranheza do perigo, achei ser impossível”, contou a atriz e realizadora que, sem revelar muito, deixou a ideia de que se tratava de alguém famoso, provavelmente do meio audiovisual: "Quero acreditar que deixaste de fazer uso da tua fama para assediar e aliciar teenagers para o teu universo sexual, violento, louco e promiscuo", disse, dirigindo-se ao seu abusador.

“O perigo não está apenas nos lugares óbvios. Protejam-se. Seja perante a casualidade do homem anónimo escondido nas dunas. Seja perante o cantor famoso que acham conhecer e parece tão seguro porque vos encantou com palavras líricas e bonitas”, avisou Ana Rocha de Sousa.

A realizadora colocou depois um excerto do texto na sua conta de Instagram:

Mais do que contar pormenores sobre o que lhe aconteceu, Ana Rocha de Sousa quis deixar uma palavra a todas as mulheres que já tenham passado por situações semelhantes: “Arrependo-me de muito pouco na vida, mas lamento ter guardado a história que tenho cravada por contar. A ti, menina, mulher, adolescente, eu digo: não tens culpa. Lembra-te e repete: não tens culpa. A ti, tenho imenso para dizer que pode ajudar.”

Este testemunho de Ana Rocha de Sousa vem na sequência de uma série de outros testemunhos de mulheres portugueses que têm tornado público casos de assédio e de abusos que até aqui não tinham contado. 

Maria João Caetano