"Não só o arguido confessou os factos, como foi alvo de um processo disciplinar", mas "também houve recolha de elementos de prova", que demonstraram que o arguido "acedeu a informação que é confidencial" e "fê-lo sem autorização", justificou o magistrado.