Se, inicialmente, foi levantada a hipótese de que entre as vítimas mortais estariam peões que teriam sido atropelados pelo autocarro que se despistou, na última quarta-feira, na Madeira, agora é seguro dizer que não: ninguém foi atropelado.

A reportagem da TVI na Madeira apurou que não há peões portugueses que possam ter sido atropelados e todos os cidadãos alemães mortos ou feridos seguiam no autocarro.

Quanto às autópsias aos 29 corpos dos turistas que perderam a vida no acidente, estavam a meio da tarde desta sexta-feira já praticamente todas realizadas.

Ainda assim, os corpos não serão libertados já. Há um processo moroso de identificação a seguir. Perante isto, a trasladação dos corpos só poderá acontecer no início ou a meio da próxima semana

A meio da tarde, decorria a missa de homenagem às vítimas, na igreja luterana da Madeira, com a presença de vítimas, alemães que vivem na cidade e, também, do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. 

Assim que chegou ao Funchal, o Presidente da República deslocou-se ao local do acidente e cumpriu um minuto de silêncio em memória das vítimas.

No lugar onde a tragédia aconteceu, Marcelo quis "testemunhar solidariedade, gratidão e determinação". Solidariedade para com as famílias das vítimas, gratidão para com o socorro. Quer que se olhe "para o futuro, estar com os feridos, com aqueles que estavam e que não foram atingidos, o grupo acidentado".

Para além das 29 pessoas que perderam a vida, o acidente provocou ainda 27 feridos, entre os quais o motorista e a guia turística. A maioria dos feridos vai regressar à Alemanha este sábado. Há ainda 16 pessoas internadas