Um trabalhador das minas de Aljustrel (Beja), de 35 anos, morreu hoje após ter sido atingido por um trator num acidente de trabalho na zona das lavarias, revelaram os bombeiros e o INEM.

O Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Beja disse à agência Lusa que o alerta para o acidente nas minas de Aljustrel, inicialmente com um ferido grave, foi dado aos bombeiros às 14:30.

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), que mobilizou para o local a viatura médica de emergência e reanimação do Hospital de Beja e a ambulância de suporte imediato de vida de Castro Verde, confirmou à Lusa o óbito, por volta das 16:15.

O trabalhador “encontrava-se em paragem cardiorrespiratória e, apesar da insistência das manobras de reanimação, não foi possível reverter a situação e o senhor não sobreviveu”, disse a mesma fonte do INEM.

O trabalhador “ficou preso numa máquina”, disse o INEM, enquanto o CDOS de Beja se limitou a explicar que o acidente aconteceu na zona das lavarias do complexo mineiro de Aljustrel, cuja concessionária é a empresa Almina – Minas do Alentejo.

Uma fonte da corporação de Bombeiros de Aljustrel, igualmente contactada pela Lusa, revelou que o homem, de 36 anos, foi atingido “por um trator”.

O dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira (STIM) Luís Cavaco disse à Lusa que o trabalhador “deixou-se apanhar por uma tomada de força de um trator” e confirmou que o acidente ocorreu "à superfície da mina, na zona das lavarias".

O corpo já foi transportado para o Gabinete Médico-Legal e Forense do Baixo Alentejo, situado no Hospital de Beja, disse o CDOS.

Para o local, foram mobilizados 10 operacionais, apoiados por cinco veículos, incluindo meios dos bombeiros, GNR e INEM.

Há menos de um mês, no dia 11 de fevereiro, aconteceu outro acidente de trabalho neste complexo mineiro, que provocou um morto e um ferido grave.

As duas vítimas desse acidente trabalhavam na manutenção mecânica a cargo de um empreiteiro e seguiam numa carrinha 'pick up', que caiu para um fosso com uma profundidade "entre os 30 e os 40 metros", indicaram à Lusa, na altura, fontes da GNR e da concessionária da mina.

ACT investiga 2.º acidente mortal em menos de um mês nas minas de Aljustrel

A Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) abriu um inquérito para averiguar as circunstâncias em que ocorreu hoje o segundo acidente em menos de um mês nas minas de Aljustrel e que provocou um morto.

Em declarações à agência Lusa, o diretor da Unidade Local do Litoral e Baixo Alentejo da ACT, Carlos Graça, disse que o organismo, logo após ter sido alertado para o acidente, enviou uma equipa de inspetores para o local para desenvolver as averiguações necessárias e elaborar o inquérito.

A ACT desencadeou de imediato as averiguações tendentes à elaboração do inquérito de acidente de trabalho", disse, explicando que a informação relativa ao caso "fica em segredo de justiça" e não podem ser reveladas mais informações por se tratar de um acidente de trabalho com uma vítima mortal.

Concessionária investiga acidente

A concessionária das minas abriu um inquérito para determinar as causas do acidente ocorrido no complexo mineiro.

Num comunicado enviado à agência Lusa, a Almina - Minas do Alentejo referiu que "deu início ao inquérito de investigação para determinação das causas" do acidente.

Segundo a Almina, a vítima trabalhava na empresa Biniter - Aluguer de Máquinas Terraplanagens e o acidente ocorreu "quando operava um trator com tanque de água, à superfície, junto à Instalação de Resíduos ‘BE-BAC'" das minas de Aljustrel, no distrito de Beja.

O trabalhador foi "imediatamente assistido no local" pelas equipas médica e do Grupo de Intervenção da Almina, explicou a concessionária, que lamenta "profundamente o sucedido".

A Almina referiu que, "imediatamente após o acidente, foram acionados os mecanismos de emergência e reação previstos e alertadas as autoridades competentes, que procederam em conformidade".