A Prevenção Rodoviária Portuguesa considerou esta quarta-feira que Portugal ainda se mantém com números de mortos acima da média europeia, apesar de estar entre os países da União Europeia que mais reduziu as vítimas nas estradas entre 2010 e 2019.

“Portugal, apesar de estar entre os países da UE que mais reduziram o número de mortos nas estradas entre 2010 e 2019, ainda se mantém com números piores do que a média da UE”, refere a Prevenção Rodoviária Portuguesa (PRP), depois de um relatório publicado pelo Conselho Europeu de Segurança nos Transportes (ETSC).

Um relatório do ETSC sobre os progressos realizados na redução de mortes nas estradas na Europa desde 2010 indica que Portugal, juntamente com a Grécia e os Estados Bálticos, foram os países com melhor desempenho na UE.

A PRP considera que a realidade portuguesa “ainda se mantém preocupante” devido aos números de vítimas mortais estarem acima da média europeia.

Relativamente a Portugal, a situação é particularmente grave no que respeita à sinistralidade dentro das localidades, pelo que as prioridades devem ser concentradas nas políticas a implementar direcionadas à redução do risco nas áreas urbanas. Proteção aos utentes mais vulneráveis e gestão das velocidades adequadas às áreas urbanas são condições determinantes para a redução sustentável da sinistralidade", refere o presidente da PRP, José Miguel Trigoso, citado no comunicado

A PRP sublinha que deve ser "igualmente prioritário” o combate à condução sob a influência do álcool e outras drogas, bem como à distração proporcionada pela utilização dos smartphones.

A PRP destaca também que a meta traçada pela União Europeia e os seus estados-membros de reduzir para metade as mortes nas estradas até 2020 “certamente não será atingida”, apesar da queda significativa no número de vítimas mortais que ocorreu em vários países nos últimos meses devido ao confinamento para fazer face à covid-19.

O relatório do Conselho Europeu de Segurança nos Transportes mostra que dois dos líderes tradicionais da Europa em segurança rodoviária, a Holanda e Reino Unido, embora se mantenham relativamente seguros quando comparados à mortalidade rodoviária, tiveram mais mortes nas estradas em 2019 do que em 2010.

Na edição deste ano, o Conselho Europeu de Segurança nos Transportes premiou a Estónia pelo “progresso notável”.

Segundo a Prevenção Rodoviária Portuguesa, o ETSC apela aos estados-membros da UE para que acelerem as novas metas para 2030, apesar da recente resposta à epidemia de covid-19 poder indicar um caminho a seguir, nomeadamente uma mudança para as deslocações a pé e de bicicleta nas áreas urbanas, combinada com alterações na infraestrutura e reduções nos limites de velocidade.

No entanto, o ETSC frisa que caso a UE voltar ao normal, após a crise, os resultados poderão ser ainda piores do que antes.

O ETSC é uma organização independente sem fins lucrativos sediada em Bruxelas, dedicada a reduzir o número de mortes e feridos nos transportes na Europa.

Em 2019, o número de mortos nas estradas diminuiu 7% no ano passado em relação a 2018, totalizando 472, mas os acidentes rodoviários e os feridos graves aumentaram, segundo a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

Segundo a ANSR, 2.288 pessoas ficaram gravemente feridas no ano passado, mais 147 do que em 2018 (mais 3%), registando-se também um aumento de 2% (mais 2.664) do número de acidentes rodoviários, num total de 135.063.

/ RL