A maior proximidade do centro do furacão Lorenzo à ilha açoriana das Flores deve registar-se pelas 06:00 locais desta quarta-feira (07:00 em Lisboa), disse à Lusa o delegado local do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Por aquela hora, o centro do furacão deve estar a aproximadamente 100 quilómetros (km) a oeste da ilha das Flores, declarou Carlos Ramalho.

O Lorenzo irá afetar todo o arquipélago, mas "especialmente" esta ilha e a do Corvo, indica ainda o IPMA, sublinhando que os efeitos da tempestade começarão a sentir-se progressivamente madrugada dentro e na manhã de quarta-feira, antes e depois da maior proximidade do centro do furacão às Flores, portanto.

O centro do furacão, precisou Carlos Ramalho, consiste no "local onde a pressão atmosférica é mais baixa".

Pelas 18:00 de terça-feira (hora dos Açores, menos uma do que em Portugal continental), o furacão, diz o instituto na última atualização enviada à imprensa, "encontrava-se a aproximadamente a 620 km a sudoeste da ilha das Flores, deslocando-se para nordeste a uma velocidade de 41 quilómetros/hora [km/h]".

Para as ilhas das Flores e do Corvo (grupo Ocidental), prevê-se vento sueste rodando para noroeste com rajadas na ordem dos 190 km/h (com uma probabilidade de 40% de a rajada máxima ser superior a 200 km/h), chuva por vezes forte e ondas de sul passando a sudoeste, com altura significativa entre 10 e 15 metros. A altura máxima de onda pode atingir os 25 metros.

Já para o grupo Central (Pico, São Jorge, Faial, Graciosa e Terceira) é esperado vento sudoeste com rajadas até 160 km/h, períodos de chuva e ondas de sudoeste passando a oeste com altura significativa entre nove e 12 metros, podendo a altura máxima de onda atingir os 22 metros.

Nas ilhas do grupo Oriental - São Miguel e Santa Maria - deverá haver vento sul rodando para oeste com rajadas até 100 km/h, períodos de chuva e ondas de sudoeste com altura significativa entre sete e nove metros.

Primeiros efeitos sentidos esta noite

Numa nota enviada às redações, o capitão do porto da Horta (Faial), Paulo Rafael da Silva, determina o encerramento a toda a navegação dos portos da Horta, das Velas e Calheta, na ilha de São Jorge, enquanto no Pico fecham os portos da Madalena, São Roque e Lajes.

Serão também encerrados os portos da Casa, no Corvo, e os das Poças e das Lajes, nas Flores.

Além do acima referido, em articulação com as entidades gestoras, a autoridade marítima determina também o fecho de todos os núcleos de pesca e portinhos, informa a mesma nota.

Os primeiros efeitos do furacão “Lorenzo”, atualmente na categoria 2, deverão começar a fazer-se sentir a partir da noite de hoje nos grupos Ocidental e Central dos Açores, com vento forte, agitação marítima e chuva.

A partir da noite de hoje já se deverão começar a fazer sentir os efeitos do furacão nos grupos Ocidental (Flores e Corvo) e Central (Terceira, Pico, São Jorge, Graciosa e Faial) - o vento forte, agitação marítima e alguma chuva. O período mais crítico será durante a madrugada e a manhã de quarta-feira", disse à agência Lusa o delegado do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) nos Açores, Carlos Ramalho.

Segundo o meteorologista, com a aproximação do furacão haverá um "agravamento gradual do tempo", mas as duas ilhas que compõem "o grupo Ocidental do arquipélago deverão ser as mais atingidas".

Acesso ao Pico encerrado até quinta-feira

O acesso à montanha do Pico vai estar encerrado até às 08:00 de quinta-feira, devido à passagem do furacão “Lorenzo”, informou esta terça-feira a Direção Regional do Ambiente dos Açores.

Foi ainda determinado o encerramento do acesso ao ilhéu de Vila Franca do Campo, em São Miguel, na quarta-feira, estando a reabertura prevista para o dia seguinte, no horário habitual”, acrescenta a nota do Governo dos Açores.

Também os serviços de tribunal nos juízos sediados nas ilhas dos grupos Central e Ocidental do arquipélago açoriano vão estar encerrados na quarta-feira, devido à passagem do furacão “Lorenzo”, informou esta terça-feira a comarca regional.

Face “ao agravamento previsível do estado do tempo” e “às preocupações que isso gera em toda a comunidade, impõem elementares razões de cautela que se encerrem os serviços do tribunal nos juízos sediados nas ilhas dos grupos Central e Ocidental do arquipélago dos Açores durante todo o dia de amanhã”, refere um comunicado assinado pelo presidente do Tribunal Judicial da Comarca dos Açores, José Moreira das Neves. 

Meios militares passam a "estado de alerta vermelho"

Os meios militares sediados nos Açores estão em “estado de alerta vermelho” entre as 00:00 e as 16:00 de quarta-feira.

Em comunicado, o Comando Operacional dos Açores informa que, na sequência da ativação do Plano Regional de Emergência de Proteção Civil do arquipélago, o estado de alerta dos meios militares sediados na região autónoma foi aumentado a partir das 16:00 para “laranja” (prontidão de duas horas).

A prontidão destes meios passará a imediata (estado de alerta vermelho) entre a meia-noite e as dezasseis horas de amanhã [quarta-feira], dia 02 de outubro de 2019”, é referido na nota.

O Comando Regional dos Açores indica ainda que, como medidas preventivas adicionais, o navio “Setúbal” foi posicionado na ilha Terceira, no grupo Central, “a fim de garantir uma resposta mais rápida a uma eventual necessidade e o dispositivo da Base Aérea n.º 4 foi reforçado com uma tripulação de EH101”.

Numa nota da Força Aérea é referido que, na segunda-feira, foram transportados a bordo de uma aeronave C-295M uma equipa de nove bombeiros e quatro operacionais do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA), entre a ilha Terceira e as Flores, “para reforço do efetivo de apoio à população nesta localidade, face à passagem do furacão ‘Lourenzo’”.

“Este apoio foi realizado no seguimento de um pedido do SRPCBA às Forças Armadas. Neste voo foi ainda transportado diverso material de apoio às operações”, adianta a Força Aérea.