O Ministério Público (MP) requereu o julgamento, pelos crimes de tráfico de droga e associação criminosa, de dois estrangeiros intercetados em 2018, próximo do Faial, Açores, num veleiro com mais de 700 quilos de cocaína, foi anunciado esta quinta-feira.

O MP requereu o julgamento em tribunal coletivo de dois arguidos, de nacionalidade estrangeira, pela prática de crimes de tráfico de estupefacientes agravado e de adesão a associação criminosa", lê-se na página da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Segundo a PGDL, "no essencial está indiciado que os arguidos se dedicavam, de forma organizada e por via marítima, à importação e transporte para a Europa, com passagem por Portugal, de produtos estupefacientes (cocaína), com vista à sua comercialização".

Os arguidos foram intercetados em 01 de setembro de 2018, próximo da ilha do Faial, num veleiro, vindos da Martinica, onde lhes foram apreendidos 750,5 quilos (peso líquido) de cloridrato de cocaína - substância que, pela sua pureza, renderia quantia sempre superior a 126 milhões de euros, refere ainda.

Segundo divulgaram na altura as autoridades, o ‘catamaran’ apreendida pela Polícia Judiciária (PJ) tinha pavilhão francês e foi localizado a 150 quilómetros do grupo central dos Açores.

O inquérito foi dirigido pelo Ministério Público do DIAP – Secção da Horta/Comarca dos Açores, coadjuvado pela Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes (UNCTE) da PJ e pelo MAOC (N) - Centro de Análise e Operações Marítimas (Narcóticos) da União Europeia.

A embarcação de recreio, em fibra, tinha a bordo dois homens e duas mulheres e, na ocasião, foi encaminhada para a marina da cidade da Horta, na ilha do Faial, onde foi alvo de busca.

A cocaína estava dissimulada em cinco compartimentos da embarcação.

Os arguidos encontram-se em prisão preventiva.