Os portugueses estão a beber mais bebidas com menos açúcar. É o que revelam os números do imposto especial sobre o consumo de bebidas açucaradas e adicionadas de edulcorantes que rendeu este ano ao Estado mais de 36 milhões de euros.

Esta diminuição do consumo, conjugada com a introdução de novos escalões no imposto, vai ter um impacto negativo na receita fiscal.

Se o ritmo de receita se mantiver idêntico aos primeiros oito meses do ano, o valor deverá rondar os 55 milhões este ano, menos 15 milhões do que no ano passado.

Segundo o Jornal de Notícias, este ano a venda de bebidas menos açucaradas cresceu para 78%, o que significa que os portugueses estão a comprar mais bebidas zero e light e que os fabricantes estão a reformular as bebidas para pagarem menos de imposto.

Em 2017, cada português consumia em média 75 litros de bebidas açucaradas, em 2018 desceu para 60.

A Direção-Geral de Saúde prepara-se para celebrar um acordo com a indústria de bebidas para reduzir o tamanho das garrafas de dois litros. A ideia é induzir as famílias a comprarem tamanhos mais pequenos e a reduzirem o consumo.