O Ministério da Administração Interna informou, em comunicado, que desde a renovação do estado de emergência e até esta terça-feira foram detidas 33 pessoas e 177 estabelecimentos foram encerrados.

Em comunicado, o MAI refere que, entre as 00:00 de 3 de abril e as 17:00 de hoje, foram detidas 33 pessoas por crime de desobediência, designadamente por violação da obrigação de confinamento obrigatório e por outras situações de desobediência ou resistência.

O MAI avança também que, durante o mesmo período, foram encerrados 177 estabelecimentos por incumprimento das normas estabelecidas no estado de emergência.

Em relação ao último balanço feito às 18:00 de segunda-feira pelo MAI, nas últimas 24 horas foram detidas mais 11 pessoas e encerrados mais 32 estabelecimentos.

Estes dados são referentes ao segundo período do estado de emergência, que foi renovado na sexta-feira e que termina a 17 de abril.

O MAI sublinha que estes números divulgados juntam-se aos verificados no primeiro período de estado de emergência, que vigorou entre os dias 22 de março e 2 de abril, nos quais se registaram 108 detenções por crime de desobediência e foram encerrados 1.708 estabelecimentos comerciais.

No âmbito do estado de emergência, a Guarda Nacional Republicana e a Polícia de Segurança Pública têm vindo “a desenvolver uma intensa atividade de sensibilização, vigilância e fiscalização junto da população”.

No comunicado, o MAI insiste ainda “no cumprimento rigoroso” das medidas impostas pelo estado de emergência, “perante a imperiosa necessidade de todos contribuírem para conter o contágio da covid-19".

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 345 mortes, mais 34 do que na véspera (+10,9%), e 12.442 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 712 em relação a segunda-feira (+6%).

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 75 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 290 mil são considerados curados.

Sofia Santana