A PSP e a GNR têm 168 elementos infetados com Covid-19 e 382 estão em quarentena, anunciou esta sexta-feira o ministro da Administração Interna, garantindo que estes números em “nada afetam” a operacionalidade das forças de segurança.

Em conferência de imprensa após a nona reunião da Estrutura de Monitorização do Estado de Emergência devido à pandemia de Covid-19, Eduardo Cabrita disse que as forças de segurança têm confirmados 168 elementos com Covid-19, destacando que 26 já estão curados.

Nada afeta a operacionalidade das forças de segurança que renovam a sua declaração de plena capacidade para cumprir os objetivos estabelecidos no cumprimento do estado de emergência”, disse o ministro, dando conta que 382 elementos da PSP e da GNR estão em isolamento profilático.

Segundo o Governo, este número “é absolutamente irrisório”, uma vez que, em cerca de 45 mil elementos, existe uma taxa de menos de 1% do efetivo em quarentena.

Eduardo Cabrita explicou que “sempre que há um suspeito numa qualquer unidade das forças de segurança” são sujeitos a testes todos os elementos.

“Qualquer contacto com um infetado, ou qualquer caso de infeção, determina a imediata colocação em quarentena de toda essa unidade”, disse, frisando que desde a primeira fase do estado de emergência que os elementos das forças e serviços de segurança são prioritários na realização de testes.

Presidida por Eduardo Cabrita, a Estrutura de Monitorização do Estado de Emergência integra representantes das forças e serviços de segurança e os secretários de Estado das áreas governativas da Economia, dos Negócios Estrangeiros, da Presidência do Conselho de Ministros, da Defesa Nacional, da Administração Pública, da Saúde, do Ambiente, das Infraestruturas e Habitação e da Agricultura.

Portugal está em estado de emergência para combater a Covid-19 desde o dia 18 de março, que já foi renovado por três períodos, e termina a 2 de maio.

De acordo com a Direção-Geral da Saúde, morreram 854 pessoas das 22.797 confirmadas como infetadas, e há 1.228 casos recuperados, em Portugal.

/ SS