A quebra dos acordos dos privados com a ADSE foi um dos temas em destaque, esta semana, em "Deus e o Diabo" de José Eduardo Moniz, habitualmente às sextas-feiras no Jornal das 8 da TVI.

Continuando na saúde, o diferendo do Governo com os enfermeiros também esteve em análise, tendo sido comparado a um combate de boxe, com as partes a ganharem diferentes rounds.

Seguiu-se o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, que enquanto administrador da Caixa Geral de Depósitos esteve na aprovação de créditos de alto risco para o banco público, motivo pelo qual o Bloco de Esquerda pede, uma vez mais, a demissão do governador.

O anúncio de que Pedro Marques vai ser o cabeça de lista do PS às eleições europeias foi outro dos temas em destaque, um ministro que anunciou, mas ainda não concretizou, milhões para os comboios, para a modernização da Linha do Douro, para o aeroporto do Montijo, o IP3, o Metro do Mondego e a linha ferroviária de Sines para Espanha.

Pedro Santana Lopes, líder do Aliança, que disse que o Estado devia passar para o privado a gestão de todas as entidades públicas com prejuízos, foi outro dos visados em "Deus e o Diabo", tal como a realização das Jornadas da Juventude em Portugal, com Lisboa a receber o Papa nos antigos terrenos da GALP junto ao Parque das Nações e em cima de um aterro, onde pode haver contaminação do solo.

Em estúdio estiveram três mulheres vítimas de violência doméstica, assédio moral no trabalho e assédio sexual, entre elas a modelo e atriz Sofia Aparício.