O Aeródromo Bissaya Barreto, em Cernache, perto de Coimbra, está encerrado desde dia 30 de maio e até dia 7 de junho, depois de a Autoridade Nacional da Aviação Civil ter mandado fechar o aeródromo.

A TVI sabe que há problemas de comunicações na torre de controlo e na vedação do aeródromo, além da falta de manga de vento, já desde outubro, por causa do furacão Leslie. Sem as comunicações bilaterais da torre de comunicação e sem a manga de vento, não estão reunidas as condições de segurança para a aterragem e levantamento de aeronaves.

Contactada pela TVI, a ANAC confirmou que o espaço está encerrado, mas porque o certificado caducou a 31 de maio e o pedido de revalidação do mesmo não foi apresentado a tempo. Questionado sobre os problemas nas infraestruturas, fonte da ANAC não quis comentar o assunto.

Obras em curso no aeródromo

Em comunicado enviado à TVI, a câmara municipal avança que "o Aeródromo Municipal Bissaya Barreto está encerrado por motivo de obras", depois de ter sido emitido um aviso à navegação pelo seu diretor, no dia 30 de maio, acrescentando que estão garantidos "os voos humanitários, proteção civil, emergência médica e SAR".

As obras em curso contemplam "operações de desobstrução e de limpeza das faixas de segurança da pista e de requalificação da vedação". Além disso, no seguimento dos danos causados pelo furacão Leslie, foi feita "a aquisição de uma manga de segurança", que custou aos cofres municipais "cerca de 8 mil euros" e que deverá ser instalada ainda esta semana.

A Câmara de Coimbra vai proceder à "reparação e substituição da cobertura do edifício" e está previsto um "projeto para a requalificação da aerogare, receção de passageiros e a requalificação da torre de controlo, a submeter a procedimento de contratação pública adequado".

Estão ainda a ser instalados "meios logísticos operacionais para acolher mais de duas dezenas de militares da GNR (GIPS), que vão operar a partir de Coimbra para toda a região".