O SEF controlou nos aeroportos 81.702 passageiros de países da União Europeia e do Espaço Schengen e outros 22.187 de países terceiros, entre 31 de janeiro e sexta-feira, enquanto a PSP impediu 370 de viajar.

Em nota esta segunda-feira divulgada, o Ministério da Administração Interna adianta que, dos 81.702 passageiros de 1.502 voos controlados pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), 814 não apresentaram o comprovativo da realização do teste para despiste da infeção por SARS-CoV2.

Dos 22.187 viajantes de países fora da União Europeia e do Espaço Schengen fiscalizados, 120 não tinham feito o teste obrigatório.

Segundo as regras nacionais, os passageiros que chegam a Portugal sem o referido teste têm de o realizar no interior do aeroporto e aguardar o resultado no edifício.

Além do controlo de 102.889 passageiros pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, a PSP verificou os motivos da viagem de 216.707 passageiros e impediu de viajar 370 pessoas.

Dos passageiros de voos cuja origem inicial seja o Reino Unido ou o Brasil e que tenham efetuado escala noutros países – e que estão obrigados a cumprir um isolamento profilático de 14 dias - o SEF comunicou às autoridades de saúde a chegada de 549 pessoas vindas do Brasil e outras 134 que viajaram desde o Reino Unido.

Hoje, o Governo decidiu prolongar até 31 de março a suspensão de voos, comerciais ou privados, com origem ou destino no Brasil e no Reino Unido devido à situação epidemiológica provocada pela covid-19.

No plano de desconfinamento do Governo, a partir de hoje, além das creches e ensino pré-escolar e do primeiro ciclo, reabrem as lojas de comércio local de bens não essenciais para venda ao postigo, os cabeleireiros, as manicures, as livrarias, o comércio automóvel, a mediação imobiliária, as bibliotecas e arquivos.

. / CE