A história emocionante vivida entre um cidadão e um agente da PSP está a emocionar a internet, depois de Vítor Martins Romão ter publicado o desabafo na sua página pessoal do Facebook, na terça-feira, e que acabou por ser partilhado na conta da Polícia de Segurança Pública na mesma rede social.

Uma história verídica, que tem já milhares de partilhas, e que chegou ao Facebook num agradecimento a frio depois de todas as emoções vividas a quente.

Depois de saber que a sua filha tinha de ser operada de urgência e o hospital precisava da sua autorização para a anestesia, Vítor Martins Romão dirigiu-se em excesso de velocidade para o hospital de Santa Maria, em Lisboa, mas foi mandado parar por um agente da PSP, que seguia numa mota.

O agente dirigiu-se e após continência, pediu-me os documentos e perguntou o porquê da marcha de urgência e do tipo de condução. Ao que respondi que tinha uma filha à espera num bloco operatório de Santa Maria, e que ele tinha duas opções: ou me prendia já ou eu ia seguir e na mesma condução”, contou.

Vítor admitiu que o seu estado era “um misto de aflição e nervoso”.

Obviamente, não estava o mais sereno, e as lágrimas correram-me."

Mas, do outro lado, encontrou um agente "calmo".

Sem sequer tirar o capacete, nem pegar na carteira dos documentos, que lhe estava a dar, apenas me disse: respire fundo, acalme-se o que lhe for possível e siga-me. Saiu em direção à mota e escoltou-me até Santa Maria."

O pai condutor não esperava esta reação.

Em frente ao portão principal, voltou a fazer continência e seguiu. Fiquei sem palavras. Nem nome, nem cara, sequer. Apenas o senhor polícia da mota”, descreveu, ainda.

A filha de Vítor Martins Romão, Margarida, nasceu no sábado, com sete meses de gestação, 1,5 kgs e alguns problemas que, de acordo com o pai, são “cirurgicamente ultrapassáveis".

No final, ficou um agradecimento sentido do cidadão para com o agente da PSP. 

Obrigado, senhor polícia, em nome da minha família, do meu País, que tanto precisa. Jamais o esqueceremos.”

Vítor Martins Romão não imaginou as proporções do seu desabafo no Facebook. Surpreendido, voltou à sua página para escrever que não estava à espera que "um agradecimento simples, sincero e espontâneo [se tornasse] na notícia do dia". 

Admitiu, também, que não gosta deste tipo de reconhecimento.

Ainda assim, Vítor Martins Romão agradeceu todas as mensagens e o apoio que recebeu e pediu para que as reações das pessoas nas redes sociais sejam convertidas em melhores práticas diárias. 

Convertam as vossas preocupações, as vossas indignações e as vossas reações nas redes sociais em algo mais, apliquem-nas todos os dias e a todas as horas no vosso quotidiano, senão serão sempre algo muito efémero. Tentem ser a cada dia que passa - e isto aplica-se a todos nós, eu incluído, melhores cidadãos", pediu o pai de Margarida.