O tribunal de Aveiro começou, esta quinta-feira, a julgar um homem de 29 anos que se barricou mais de três horas dentro de uma autocaravana, em Ovar, depois de alegadamente ter agredido a companheira e fugido às autoridades.

Durante a primeira audiência do julgamento, o arguido disse estar “extremamente arrependido” pelos danos que causou e pediu desculpa aos agentes da PSP que tentou atropelar.

Não tive noção do que estava a fazer naquele momento”, disse o arguido, atribuindo o seu comportamento a um “surto psicótico devido ao consumo de canabinoides”.

Questionado sobre a aparatosa fuga à polícia, durante a qual abalroou duas viaturas da PSP, ferindo um agente, disse ter memórias “muito confusas”. “Desde que saí do centro comercial e até parar numa rua estreita onde fui detido, lembro-me de muito pouco”, afirmou.

O arguido negou ainda ter agredido a então companheira, de quem está atualmente separado, afirmando que as lesões teriam sido feitas por ela própria

Nunca lhe bati, nem chamei nomes”, contou, adiantando que a ex-companheira automutilava-se.

O homem afirmou ainda que as drogas que foram encontradas no interior da autocaravana pertenciam à ex-namorada, afirmando que ela, além de consumir drogas, também bebia muito e “andava descompensada”.

Este depoimento foi contrariado pela ofendida que disse que nunca consumiu drogas e confirmou ser vítima de agressões.

Ele não dormia durante a noite, devido ao consumo de drogas, e eu acordava a levar porrada”, disse a ofendida.

O arguido, que se encontra em prisão preventiva, está acusado de um crime de violência doméstica, dois de sequestro, um de condução perigosa de veículo rodoviário, três de dano qualificado, seis de homicídio qualificado, sob a forma tentada, um de tráfico de estupefacientes e outro de tráfico de menor gravidade e um crime de detenção de arma proibida.

Os factos ocorreram entre janeiro e julho de 2018.

O episódio mais violento ocorreu no dia 13 de julho, quando o homem se refugiu no interior de uma autocaravana em Ovar após ter alegadamente agredido a companheira, fugido às autoridades e abalroado duas viaturas policiais, ferindo um agente.

Tudo começou ao início da manhã, depois de os agentes da esquadra de Ovar terem sido alertados para uma situação de alegada agressão no parque de estacionamento do centro comercial Dolce Vita Ovar, onde, segundo revelou fonte policial, "uma senhora tinha sido agredida pelo companheiro e acabou estendida no chão".

O alegado agressor colocou-se então em fuga na autocaravana e circulou em sentido contrário por diversas ruas de Ovar, colocando em perigo outros automobilistas.

No decurso da fuga, o arguido colidiu com duas viaturas policiais, provocando ferimentos a um dos agentes no interior de um dos veículos.

Pouco depois, parou a autocaravana na rua Abel Salazar, recusando-se a sair da viatura. Após um período de negociações, a PSP usou gás lacrimogéneo para obrigar o homem a sair da autocaravana.

As autoridades encontraram no interior da autocaravana droga e duas catanas.