O suspeito de agredir uma grávida de nove meses vai aguardar julgamento em liberdade, mas ficou proibido de se aproximar da vítima. A TVI sabe ainda que lhe foi imposta a proibição de permanência na habitação onde reside a vítima.

Para além disso, os contactos a realizar quanto aos filhos menores de ambos terá de realizar-se por intermédio de uma terceira pessoa. O indivíduo está ainda obrigado a sujeitar-se a um tratamento ao alcoolismo e substâncias estupefacientes numa instituição adequada.

A vítima continua hospitalizada, mas está estável. O bebé ainda não nasceu.

O homem foi detido na terça-feira pela PSP em Alverca, concelho de Vila Franca de Xira, distrito de Lisboa, por agredir “com pontapés e vários socos na barriga” a companheira, grávida de 9 meses, disse à agência Lusa fonte policial.

Segundo a mesma fonte, os factos foram praticados na via pública e presenciados por um agente do corpo de intervenção da Unidade Especial de Polícia (UEP), que estava de folga, e que, naquele momento, circulava na estrada onde ocorriam as agressões.

Este elemento da UEP parou a viatura onde seguia, “interveio em auxílio da vítima”, de 32 anos, conseguindo “cessar as agressões e deter o suspeito, de 28 anos”.

O agressor reagiu de forma agressiva contra o polícia, danificando a viatura particular do mesmo (com pontapés) e ainda lhe rasgou a roupa que vestia”, contou a mesma fonte.

A mulher foi transportada para Hospital de Vila Franca de Xira, “com lesões graves”, mantendo-se ainda internada naquela unidade hospitalar.

A detenção viria a ser consumada na Esquadra da PSP de Alverca.