“O produto das transferências indevidas serviu para efetuar operações no mercado bolsista, com recurso a contas bancárias tituladas por terceiros das suas relações próximas, para dissimulação da origem ilícita das vantagens que obtinha”, acrescenta um comunicado da Judiciária.