Há mais oito detidos suspeitos de terem participado no ataque à Academia do Sporting, em Alcochete, confirmou a TVI. As detenções foram feitas no âmbito de uma megaoperação da GNR e da PSP, que incluiu várias buscas domiciliárias, esta segunda-feira. 

Os detidos pertencem às claques leoninas, Juve Leo e Diretivo XXI, e, segundo sabe a TVI, estiveram a colaborar com as autoridades. 

Serão ouvidos no Tribunal do Barreiro, esta terça-feira, pelas 14:00.

Esta segunda-feira uma megaoperação da GNR e da PSP, no âmbito de uma investigação dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP), decorreu na zona da Grande Lisboa.

Recorde-se que antes do primeiro treino para a final da Taça de Portugal, a equipa de futebol do Sporting foi atacada na Academia de Alcochete por um grupo de cerca de 50 alegados adeptos encapuzados, que agrediram técnicos e jogadores.

A GNR deteve 23 dos atacantes inicialmenteapreendeu cinco viaturas ligeiras, vários artigos relacionados com os crimes e recolheu depoimentos de 36 pessoas, entre jogadores, equipa técnica, funcionários e vigilantes ao serviço do clube. Mais tarde deteve mais quatro pessoas, entre eles Fernando Mendes, ex-líder da Juve Leo.

Os 27 arguidos continuam em prisão preventiva, estando indiciados por vários crimes, nomeadamente sequestro, ofensa à integridade física qualificada, introdução em lugar vedado ao público, dano com violência, terrorismo, resistência e coação sobre funcionário.

Ainda este mês, os arguidos pediram para sair da prisão preventiva, mas o juiz negou a pretensão.

O juiz manteve a prisão preventiva, lembrando que há perigo de fuga e de continuação da atividade criminosa. Acrescenta ainda que se mantém ainda inalterado o grave perigo de perturbação da ordem e tranquilidade públicas e de perturbação do inquérito.

Para o magistrado, o facto de terem sido "esquecidos" pelos "media" em nada modifica a opinião, que foi formada pelo contacto com os factos em si, daí que os factos alegados pelo arguido não tenham qualquer relevância.