«Em 2006, as condições económicas alteraram-se com a crise económica, e deixámos de ter capacidade financeira para concretizar o projeto de turismo de aldeia que, entretanto, ficou suspenso», lamentou José Martins, um dos cinco proprietários do Barbelote, no concelho de Monchique.










«Deixaram-me ficar cá a morar, mas agora estou é desejando de ir embora daqui para fora», referiu à Lusa, apontando falta de estradas e transportes regulares para a vila de Monchique como fatores desmotivadores para a sua permanência na aldeia.




«As pessoas gostam de conhecer a autenticidade destes locais e estas aldeias podem resultar numa oportunidade de negócio para promotores que tenham a sensibilidade para este tipo de negócio, quer na recuperação do edificado, quer na vivência do ambiente de aldeia», frisou.