O número de pessoas infetadas com covid-19 na vila de Mora, no distrito de Évora, subiu esta sexta-feira para 56, mais quatro novos casos, disse à TVI24 o presidente da câmara, Luís Simão.

O autarca encontra-se em quarentena depois de dois funcionários da Câmara de Mora terem testado positivos. 

"A entidade de saúde pública entendeu que eu devia ficar de quarentena", contou em direto à TVI24.

O autarca revelou ainda que "infelizmente" continuam a ser conhecidas novas confirmações. 

“Já são 56 pessoas em nove, dez dias. É muita gente", referiu Luís Simão, acrescentando que a vila passou "quase à situação do estado de emergência".

Segundo Luís Simão, há mais duzentas pessoas que se encontram em confinamento e que os estabelecimentos comerciais estão praticamente todos encerrados.

"Neste momento em termos económicos está tudo praticamente parado (...) Aquilo que eu noto nas pessoas é uma enorme responsabilidade. As pessoas não saem de casa a não ser para fazer aquilo que é essencial".

Quanto a uma cerca em Mora, Luís Simões diz que seria uma medida "exagerada" porque as coisas estão controladas e os casos identificados. Mas, que se as autoridades de saúde assim o decidirem, Mora estará preparada para tal.

No Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE), permanecem internados cinco doentes, quatro deles nos cuidados intensivos e um em enfermaria.

Fonte do HESE revelou à Lusa que os quatro doentes internados na Unidade de Cuidados Intensivos Covid, três homens e uma mulher, têm idades entre os 64 e os 69 anos, enquanto o doente hospitalizado em enfermaria, um homem, tem 89 anos.

Este surto surgiu no dia 9 deste mês, quando foram confirmados os primeiros três casos positivos na comunidade, número que tem vindo a subir, todos os dias, à medida que vão sendo testados os contactos de pessoas infetadas.

A câmara ativou o Plano Municipal de Emergência e fechou, no início da semana passada, os serviços de atendimento ao público e outros equipamentos, como a Oficina da Criança, a Casa da Cultura, o Centro de Atividades de Tempos Livres e instalações desportivas.

Com a população confinada em casa, por precaução, fecharam também cafés, restaurantes e outros estabelecimentos comerciais.

Redação / com Lusa