Têm sido levantadas várias questões relacionadas com as possíveis reações alérgicas que possam surgir depois da toma da vacina contra a covid-19 da Pfizer-BioNTech. A Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC) desvaloriza e diz que se tratam de "eventos raros"

As reações alérgicas às vacinas do calendário nacional de vacinação são raras. As reações mais graves (reações anafiláticas) ocorrem em menos de 1/100 000 indivíduos", lê-se no comunicado. 

Nesse sentido, os imunoalergologistas garantem que as alergias à vacina Pfizer-BioNTech "serão também eventos raros". Ainda que a informação clínica disponível sobre essas reações seja muito limitada, asseguram que não existe um risco acrescido de efeitos adversos em doentes asmáticos, com rinite alérgica ou com eczema.

Todavia, a SPAIC deixa duas orientações sobre quem deve e não deve tomar a vacina: 

Propomos que: 1) a vacina Pfizer-BioNTech para a COVID-19 não seja administrada em doentes com antecedentes de reações alérgicas graves a vacinas, e que 2) a relação risco-benefício seja avaliada por um Imunoalergologista nos casos de anafilaxia prévia a medicamentos, alimentos, latex, venenos de himenópteros e ainda nos casos de anafilaxia idiopática, síndromes de ativação mastocitária e imunodeficiências primárias". 

Recorde-se que a Comissão Europeia aprovou, na segunda-feira, a vacina Comirnaty desenvolvida pela Pfizer/BioNTec contra a covid-19, horas após o parecer favorável da Agência Europeia do Medicamento.

Em comunicado, os especialistas relembram que estas vacinas só deverão ser administradas em Unidades de Saúde "onde existam profissionais devidamente treinados e meios adequados para o tratamento de eventuais reações alérgicas" e que o período de vigilância - 30 dias após a toma da primeira dose - deve ser respeitado. 

As primeiras vacinas contra a covid-19 deverão chegar a Portugal em 26 de dezembro e até abril deverão ser vacinadas 950 mil pessoas.

Segundo anunciou a ministra da Saúde, os profissionais de saúde dos centros hospitalares universitários do Porto, São João, Coimbra, Lisboa Norte e Lisboa Central serão os primeiros a ser vacinados, o que deverá acontecer no dia 27 de dezembro.

De acordo com o calendário provisório de entrega de vacinas da Pfizer, em dezembro serão entregues 9.750 doses, em janeiro 303.225, em fevereiro 429.000 e em março 487.500.

Cláudia Évora