As aulas na Escola Clara de Resende, no Porto, que foi evacuada esta manhã após um alerta para acumulação de gases no refeitório, serão retomadas na terça-feira à tarde, anunciou a associação de pais deste estabelecimento de ensino.

“As aulas só terão início amanhã [terça-feira] à tarde. Daremos informações mais precisas assim que possível”, lê-se numa publicação da Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Clara de Resende na rede social Facebook.

A Escola Clara de Resende, localizada na zona do Bessa no Porto, foi hoje evacuada “por precaução”, após um “alerta para acumulação de gases no refeitório”, indicaram à agência Lusa fontes da Proteção Civil e da PSP local.

A associação de pais, também via Facebook, cerca das 12:00 e citando a subdiretora do Agrupamento de Escola Clara de Resende, Mónica Magalhães, indicava que “relativamente à possível fuga de gás a situação já está resolvida”, tendo os Bombeiros Sapadores dado autorização para abrir a escola.

Já no que diz respeito à água, na publicação é precisado que “devido a vários pontos de inundação na escola o fornecimento de água teve de ser fechado”.

“Esta situação está a ser avaliada pelos engenheiros da Parque Escolar, da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE), funcionários da manutenção e Escola Segura. Sem água a escola não pode abrir pelo que daremos informações mais concretas ao longo do dia”, lia-se na nota da direção difundida pela associação de pais.

Anteriormente, em declarações à agência Lusa, o Comando Distrital de Operações e Socorro (CDOS) do Porto indicou que “não se verificou fuga de gás, mas os alunos saíram da escola por precaução”.

Já a PSP do Porto indicou que em causa esteve uma falta de energia detetada no refeitório no fim de semana e que esta situação gerou “acumulação de gases”, tendo tornado o refeitório da escola “inoperacional”.

Ao início da manhã, também via redes sociais, foi difundida uma outra mensagem da direção da escola, na qual se lia que “na sequência de um assalto à escola no fim de semana”, foi necessário “fechar a água e o gás”.

Na mensagem, era referido também que todos os alunos foram retirados “para o exterior da escola com a ajuda dos agentes da Escola Segura”.

“Foram acionadas as equipas competentes para solucionar tal situação. Por favor, divulgar esta situação aos encarregados de educação”, terminava a nota.

/ RL