Numa altura em que se discute, mais do que nunca, a igualdade de género, faz sentido que, em pleno século XXI, um homem tenha que pagar mais do que uma mulher para entrar numa discoteca? Há casos em que o homem chega a pagar o dobro da mulher.

Esta prática é uma realidade de norte a sul do país. Mas é mesmo este o exemplo que queremos passar aos nossos filhos? Até que ponto isto é admissível? Faz sentido alterar o preço de um serviço de acordo com o género da pessoa? 

A TVI contactou várias discotecas de Norte a Sul e nenhuma soube explicar este comportamento e todas se recusaram a prestar declarações.

Surpreendente foi o facto da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género ter recusado o nosso pedido de entrevista. Para que serve afinal esta comissão? Fica a questão.

Alexandra Borges