A pandemia de covid-19 veio aumentar a mortalidade, em Portugal. Para além das vítimas do novo coronavírus, juntam-se todos os óbitos provocados por outras patologias.

Doentes com esclerose múltipla, leucemia ou cancros hereditárias são apenas um exemplo de quem foi mais afetado pela suspensão da atividade programada e não urgente dos hospitais portugueses.

No "Segunda Vaga", desta quarta-feira, analisámos o impacto colateral da pandemia de covid-19 em pacientes de outras morbilidades. Consultas e cirurgias adiadas ou diagnósticos tardios ditaram um destino evitável para vários portugueses.

Luís Costa, conhecido como DJ Magazino, foi o convidado, desta quarta-feira, da rubrica “Tive Covid-19”.

O músico esteve infetado com covid-19 e sofre de leucemia, um quadro clínico muito grave que o empurrou para os cuidados intensivos devido aos sintomas severos.

DJ Magazino explica que foi infetado num surto que ocorreu no IPO do Porto, onde estava internado.

Luís Costa teve de ser transferido para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa. Durante os primeiros quatro dias não apresentou sintomas relevantes, mas a covid-19 agravou-se e acabou por ficar mais de 36 dias em coma.

Cheguei a ligar para familiares e dizer que dificilmente aguentaria vivo”, confessa DJ Magazino.

 

Mortalidade dos doentes não covid: “Nós fomos os sacrificados”

Alexandre Guedes da Silva, presidente da Sociedade Portuguesa da Esclerose Múltipla, lembra que existem “milhões” de doentes não covid, em Portgual, que estão a ser afetados pela incapacidade do SNS em responder à pandemia e às restantes patologias.

O responsável garante que existe uma subida muito expressiva na mortalidade por patologias distintas da pandemia.

Está a pandemia a atrasar os diagnósticos e tratamentos dos cancros?

Tamara Milagre, presidente da Associação Evita, que apoia portadores de alterações nos genes relacionados com cancros hereditários, explica que a pandemia de covid-19 pode estar a ter um impacto devastador nos doentes oncológicos.

A especialista explica que o diagnóstico precoce das doenças cancerígenas é fulcral para possibilitar uma recuperação e que tal está a ser descuidado em prol do tratamento de doentes com covid-19.

Hospital de Ovar com cirurgias ao sábado para mitigar listas de espera

Luís Miguel Ferreira, presidente do Conselho Diretivo do Hospital Francisco Zagalo, em Ovar, explica que a unidade foi obrigada a suspender, quase a 100%, a atividade programada durante o pico da pandemia de covid-19 na região.

Sem cirurgias nem consultas, as listas de espera do Hospital de Ovar cresceram exponencialmente e para normalizar a situação o mais rápido possível começaram a realizar-se cirurgias durante o fim de semana.

“Hora da Verdade”: escolas estão a esconder casos de covid-19 para evitar fechos?

A “Hora da Verdade” é uma parceria entre a TVI e o jornal Observador que visa averiguar a veracidade das teorias que mais faladas entre os portugueses.

Na edição, desta quarta-feira, dedicada à covid-19 analisámos a tese que diz que as escolas estão a esconder surtos para evitar encerramentos.

O jornalista do Observador Pedro Raínho explica que, de acordo com a escala utilizada na “Hora da Verdade”, esta publicação é “ERRADA”.

Pedro Raínho explica que a prática instituída tem sido manter os estabelecimentos de ensino abertos, mesmo que detetem casos de covid-19, e que esta “teoria não tem qualquer fundamento”.

Nuno Mandeiro