Cerca de 200 passageiros do comboio Alfa Pendular que descarrilou em Soure foram acolhidos no pavilhão multiusos local, onde estão a ser acompanhados por mais de duas dezenas de voluntários médicos e enfermeiros, disse fonte camarária.

Segundo fonte do gabinete da presidência da Câmara de Soure, no distrito de Coimbra, estes médicos e enfermeiros, que se deslocaram voluntariamente para o local, "estão a receber as pessoas, a maioria sem ferimentos, mas também alguns feridos muito ligeiros".

No local está igualmente presente uma equipa do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), responsável pela triagem e apoio psicológico dos passageiros que para ali foram transportados.

"Os [profissionais de saúde] voluntários têm feito pequenos tratamentos, algumas suturas e ligaduras", indicou.

De acordo com a mesma fonte, os passageiros que estão no pavilhão multiúsos serão ainda hoje transportados de autocarro para a estação ferroviária de Alfarelos, na localidade de Granja do Ulmeiro, localizada a cerca de 15 quilómetros de Soure, "para seguirem viagem, de comboio, para os seus destinos".

O descarrilamento de um comboio Alfa Pendular, na linha do Norte, após colidir com uma máquina de trabalhos da Infraestruturas de Portugal (empresa criada em 2015, da fusão entre a Rede Ferroviária Nacional - Refer e a Estradas de Portugal), provocou hoje dois mortos, seis feridos graves e 19 feridos ligeiros, disse o comandante distrital de operações de Coimbra, Carlos Luís Tavares, que fazia um ponto de situação no local.

De acordo com o comandante, as duas vítimas mortais eram os únicos ocupantes da máquina da Infraestruturas de Portugal.

Dos 212 passageiros do Alfa Pendular, registam-se seis feridos graves, sendo que nenhum corre risco de vida, acrescentou.

O Alfa Pendular seguia no sentido Sul-Norte, tendo saído de Santa Apolónia, em Lisboa, às 14:00, e tinha como destino final Braga.

O acidente ocorreu perto da vila de Soure, mais concretamente junto à localidade de Matas, na região Centro.

/ AM