A Autoridade Marítima informou que a Ria Formosa está excluída da interdição da apanha de bivalves, continuando a apanha a ser proibida na área litoral algarvia, entre Vilamoura e Vila Real S. António, avança a agência Lusa.

Em declarações à agência Lusa, o responsável pela Autoridade Marítima do Sul, Marques Ferreira, explicou que «atendendo à presença de fitoplânton produtor de biotoxinas DSP está interdita a apanha e comercialização de todos os bivalves da zona litoral compreendida entre Vilamoura e Vila Real de S. António».

A faixa costeira estende-se por cerca de 60 quilómetros e corresponde à área da Ria Formosa, contudo este sistema lagunar não está afetado pela interdição, disse Marques Ferreira.

Os pescadores e apanhadores devidamente licenciados cuja atividade esteja a ser condicionada pela interdição de trabalhar podem recorrer ao fundo de compensação salarial, garantiu hoje à Lusa fonte do Ministério da Agricultura, Do desenvolvimento Rural e das Pescas.

O fundo de compensação salarial dos profissionais da pesca «têm por objetivo prestar apoio aos profissionais da pesca por razões que se prendem com condicionantes, especificamente da sua atividade e que fique temporariamente sem rendimento, nomeadamente em situações de interdição de pesca por motivos de Saúde Pública», explica o Ministério.

A candidatura é apresentada junto da Direção Geral das Pescas ou através da Direção Regional da Agricultura e Pescas do Algarve, estando os formulários disponíveis na Internet.

A interdição temporária, que inibe a apanha e comercialização de todo o tipo de bivalves, foi inicialmente implementada no sábado pelas autoridades que tutelam os recursos biológicos.