A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) instaurou, em abril, quatro contraordenações e apreendeu 402 mil ovos por falta ou deficiente marcação, falta de rastreabilidade e ausência de requisitos em géneros alimentícios, no valor de 25.500 euros.

Em comunicado divulgado, esta terça-feira, a ASAE adianta que as ações de fiscalização foram realizadas nos centros de classificação e embalamento de ovos da região centro.

Como resultado foram instaurados quatro processos de contraordenação e apreendidos em locais distintos cerca de 402 000 ovos”, nomeadamente 369.540 ovos por falta de marcação, 16.200 ovos por falta de rastreabilidade, mil por falta de requisitos em géneros alimentícios e 14.940 por deficiente marcação.

Através de código impresso nas embalagens e nos ovos, os consumidores devem ter informação sobre o país de origem do produto, em que condições foram criadas as galinhas e qual a zona de exploração de onde os ovos são originários, sendo ainda obrigatória a indicação da data de durabilidade dos ovos não podendo a mesma exceder o prazo de 28 dias relativamente à data de postura.