O Tribunal de Ourique começou esta quarta-feira a julgar um homem de 29 anos, acusado de triplo homicídio, de dois homens e uma mulher búlgaros, ocorrido durante uma emboscada a tiro em Aljustrel, em dezembro de 2010.

Na primeira sessão do julgamento, foi lida a acusação do Ministério Público, o arguido, que é acusado de três crimes de homicídio qualificado, um de roubo e um de detenção de arma proibida, recusou falar e o coletivo de juízes começou a ouvir testemunhas.

O triplo homicídio remonta a dezembro de 2010, quando as vítimas foram atraídas até um «sítio ermo», no concelho de Aljustrel, para a realização de um negócio de compra de cobre, e, quando lá chegaram, foram assassinadas a tiro.

Segundo a Polícia Judiciária (PJ), os corpos dos três búlgaros, um casal e um homem, provenientes da zona de Palmela, foram encontrados a 18 de dezembro de 2010 junto a uma carrinha no Monte Valverde, um sítio ermo na freguesia de Rio de Moinhos, no concelho de Aljustrel.

Na altura, um amigo das vítimas, Vladimir Yurukov, admitiu que as vítimas andavam com algum dinheiro dos negócios de sucata, mas disse desconhecer os motivos que os teriam levado ao Alentejo, numa carrinha propriedade do dono de uma sucateira do Pinhal Novo.

O arguido, que está em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Beja, foi identificado pela PJ como o presumível autor do triplo homicídio e detido em Sevilha (Espanha), a 10 de outubro de 2011, quase um ano após os crimes, e com base num Mandado de Detenção Europeu.

Após a detenção, o homem ficou preso à ordem dos juízos de instrução criminal da Audiência Nacional, em Madrid, e foi depois extraditado para Portugal, onde, a 28 de outubro de 2011, foi submetido a primeiro interrogatório judicial no Tribunal de Ourique, que lhe decretou a prisão preventiva.
Redação / CF