O número de agressões a professores e funcionários aumentou quase 40 por cento em 2008/09, face ao ano lectivo anterior, enquanto em relação aos alunos registou-se uma diminuição de 21,8 por cento, segundo dados do programa Escola Segura divulgados esta sexta-feira.

De acordo com os números divulgados pelo Ministério da Educação, registou-se, no entanto, uma redução de 15 por cento do número total de ocorrências, que passaram de 6039 para 5134, entre os anos lectivos de 2007/08 e 2008/09.

Relativamente às agressões a alunos, este número passou de 1317 para 1029 naquele período ¿ menos 21,8 por cento ¿, mas a tendência não é acompanhada quando são analisados os dados referentes aos docentes e aos funcionários.

Foram agredidos 206 professores em 2007/08 e 284 no ano lectivo seguinte, o que significa um aumento de 37,8 por cento. Quanto ao pessoal não docente, os dados indicam uma subida de 38,3 por cento (133 contra 184 agressões).

As ocorrências no exterior dos estabelecimentos de ensino aumentaram dez por cento (1609 em 2008/09 e 1457 em 2007/08), enquanto no interior regista-se uma diminuição de 23 por cento: 3525 em 2008/09 contra as 4582 em 2007/08.

Tipo de ocorrências

Analisando o tipo de ocorrências, os actos contra a liberdade e integridade física das pessoas representam 44,7 por cento, mais 4,7 pontos percentuais do que em 2007/08.

Seguem-se os actos contra os bens e equipamentos escolares (20,6 por cento), contra os bens e equipamentos pessoais (14,2 por cento) e contra a honra e o bom nome das pessoas (10,5 por cento).

Nas acções contra bens pessoais, os telemóveis representam 31,6 por cento (39 por cento em 2007/08) e o dinheiro 21,5 por cento (20,6 por cento), seguidos do material audiovisual (16,3/4,9) e do material escolar (11/11,4).

Nos actos contra bens e equipamentos escolares, regista-se uma diminuição dos danos e furtos, de 20,75 e 47,4 por cento, respectivamente, para uma redução total destes actos de 32,9 por cento.

Lisboa é a região com mais ocorrências

Por estabelecimentos de ensino, regista-se um ligeiro aumento da percentagem de escolas sem qualquer ocorrência: 92,7 por cento em 2008/09 contra 90,9 por cento em 2007/08.

Com entre uma e cinco ocorrências estão 715 escolas (934 em 2007/08). Entre 21 e 50 ocorrências encontram-se 15 estabelecimentos de ensino em 2008/09, quando eram 34 no ano anterior.

Das 3525 ocorrências registadas no interior das escolas, o maior número de casos continua a registar-se na área de influência da Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo (60 por cento), seguida do Norte (23,6 por cento). O Alentejo é novamente a região com menos ocorrências (4,1 por cento).

Por distritos, Lisboa segue na frente, com 34,6 por cento das ocorrências, seguida do Porto, com 22 por cento, e Setúbal, com 7,6 por cento.

Lisboa é o único distrito onde o rácio de ocorrências por escola ultrapassa o valor um (1,18). Seguem-se Setúbal e Faro, com um rácio de 0,75 e 0,70, respectivamente.

Num rácio de ocorrências por cada mil alunos, Lisboa também lidera a tabela, com 3,58, seguida de Faro (3,36) e Porto (3.06).

Nas áreas envolventes aos estabelecimentos de ensino, GNR e PSP registaram 400 roubos (mais 71 do que em 2007/08) e 476 ofensas à integridade física (menos 10).
Redação / SM