As regiões do Algarve e do Alentejo estiveram sem helicópteros do INEM durante mais de seis horas. As duas aeronaves tiveram avarias em simultâneo.

Um doente urgente não conseguiu ser transportado de helicóptero do Hospital de Faro para o Hospital de São José, em Lisboa, e teve de seguir de ambulância.

Na aeronave de Évora, surgiu um problema mecânico no momento em que esta saía de Portalegre, na noite de segunda-feira. O helicóptero acabou por ficar inoperacional no local durante cerca de 24 horas, sem poder regressar à cidade alentejana de origem.

Durante o período em que as duas aeronaves do sul estiveram inoperacionais ocorreu um acidente, em Tavira, no qual resultaram dois feridos graves.

Em momento algum foram identificados sinais ou sintomas que justificassem o acionamento do helicóptero de emergência médica para socorrer ou transportar as vítimas", garantiu o INEM à TVI.

Os feridos graves acabaram por ser encaminhados de ambulância para a unidade hospitalar de Faro.

Os dois helicópteros já estão novamente operacionais", esclareceu o INEM

O INEM acrescentou ainda que "apenas em casos de inoperacionalidade superior a 24 horas é que é obrigatório substituir as respetivas aeronaves".