A Ordem dos Veterinários lançou um programa de cheques-veterinários para ajudar famílias carenciadas que não consigam pagar os serviços de saúde para os animais. São já 25 o número de autarquias associadas ao programa e os donos que queiram usufruir, só têm de se inscrever.

O cheque-veterinário é a espinha dorsal que se tem falado muito nestas eleições: o serviço nacional de saúde animal", disse o  Dr. Pedro Fabrica, da Ordem dos Médicos Veterinários, e acrescentou "a Ordem com consultórios, clínicas, hospitais veterinários e autarquias interessadas, desenvolveu uma plataforma em que juntou médicos veterinários que estão dispostos a fornecer serviços veterinários de um custo diferente do habitual para animas errantes que não têm donos e para animais de fámilias carenciadas".

São as autarquias e as juntas de freguesia que identificam esses animais e essas famílias carenciadas e atribuem os cheques-veteriários. Aplicam-se a serviços de vacinação, desparasitação, esterilização, bem como outros tratamentos e urgências 24 horas.

Neste momento temos em Portugal 255 consultórios, clínicas e hospitais que já aderiram e cerca de 25 municípios, de Norte a Sul e incluindo os Açores, que já aderiram ao projeto. 

No dia em que se assinala o Dia do Animal e o Dia do Médico Veterinário, o Dr. Pedro Fabrica esteve no Diário da Manhã desta sexta-feira, para apelar à adesão das autarquias a este programa e ainda ao fim da taxa de 23% do IVA dos serviços de cuidados de saúde aos animais.

Causa-nos alguma estranheza como é que somos os únicos profissionais de saúde que temos uma taxa de IVA" e explica "se uma cadela precisa de uma cesariana, o valor que paga em média são 500€, destes 500, 115€ são em IVA, vaioi diretamente para o Estado. Se compararmos com um hospital humano privado, são 6.000 euros, com 0% de IVA".