O Secretário de Estado Adjunto e da Saúde frisou esta sexta-feira que a palavra do momento ainda é "confinamento" e que o Governo não pensa "desconfinar" em breve.

Em declarações aos jornalistas, António Lacerda Sales afirmou que ainda "é prematuro estarmos a falar de desconfinamento" no âmbito da pandemia de covid-19 e pediu "serenidade".

O queremos assegurar é que cada um de nós possa seguir o que são as regras", afirmou o secretário de Estado, acrescentando que o Governo quer "neste momento garantir um confinamento seguro", 

Portugal com 6,3% da população vacinada

António Lacerda Sales adiantou que Portugal já tem 6,3% da população vacinada, sendo que 2,3% têm as duas doses, facto que disse estar "em linha com a maioria dos países da Europa".

O governante recusou que o Ministério tenha falhado no plano de vacinação, defendendo que este "deve ser reajustável". 

Já sobre o atraso na distribuição vacinas, apontou que "praticamente todas as vacinas que chegam ao país são imediatamente administradas".

Houve de facto uma falha ao nível de uma das vacinas relativamente às quantidades que inicialmente estavam previstas, mas estamos a vacinar de acordo com o que tem chegado. Provavelmente em vez dos 11 milhões previstos, teremos 8 ou 9 milhões", reiterou.

Camas em cuidados intensivos mais do que duplicaram em um ano

O secretário de Estado destacou ainda que as camas em unidades de cuidados intensivos mais do que duplicaram no último ano.

Lacerda Sales relembrou que em março e 2020 Portugal tinha 4,2 camas em cuidados intensivos por 100 mil habitantes. Atualmente, o país dispõe de  9,4 camas em cuidados intensivos por cada 100 mil habitantes.

Rafaela Laja