«Não há certezas, nem indícios» de corrupção