"Como teria sido a minha vida nos últimos dez/nove anos se eu tenho aceitado ajudar o juiz Carlos Alexandre?", afirmou esta segunda-feira à noite Armando Vara na entrevista que concedeu à TVI, no Jornal das 8.

Sem querer entrar em pormenores, porque garantiu “ainda não é o tempo” e para onde vai "vai ter tempo de escrever". Armando Vara garantiu que “lhe foi solicitada ajuda” e “não foi apenas a ele”. Chegou mesmo a ligar o processo dos Vistos Gold e da Operação Marquês a essa recusa. 

"O processo dos Vistos Gold e do Marquês, do meu ponto de vista, têm a ver com isso", acrescentou. Como se o ex-ministro do PSD, Miguel Macedo fosse também arguido, nas mesmas circunstâncias que ele (Armando Vara).

Questionado sobre o interesse do juiz Carlos Alexandre, a sua motivação, Armando Vara relembrou um episódio a que assistiu num Jornal da TVI, quando o "Marcelo Rebelo de Sousa ainda era comentador e foi questionado por Judite de Sousa, sobre se 'não achava estranho que se andasse a dizer que o Governo se preparava para nomear o juiz Carlos Alexandre diretor do SIS?'".

A condenação a cinco anos de prisão no processo Face Oculta deverá transitar em julgado já esta terça-feira, dia 11 de Dezembro e o antigo governante diz que não vai esperar para se entregar à justiça.

Todavia, assumiu não estar “preparado para o que aí vem”. Diz apenas “estar preparado para continuar a lutar para que isto, pelo menos, não aconteça a outros”.

Armando Vara foi condenado em 2014 por três crimes de tráfico de influência no processo Face Oculta, mas recorde-se que também está envolvido na Operação Marquês onde também é arguido José Sócrates, antigo primeiro ministro. Apesar de tudo, insiste em reafirmar que está "inocente".

Contactado pela TVI, o juiz Carlos Alexandre recusou comentar as acusações de Armando Vara.

/ PP