O incêndio que começou na sexta-feira à tarde em Castelo de Paiva e esteve próximo de casas já está dominado. No local ainda estavam, às 09:57, 245 operacionais e 70 veículos.

Durante a noite, as chamas entraram em território do concelho vizinho de Arouca.

Por volta das 00:45 deste sábado, o incêndio já tinha apenas uma frente ativa (chegou a ter três) e estava a evoluir de forma favorável.

Nesta altura, a situação está mais calma. O incêndio tem uma frente ativa que lavra em direção ao rio Paiva, que é o que falta resolver, mas é uma zona de acessos difíceis e escarpados”, disse à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Aveiro.

Ainda assim, os trabalhos continuaram a decorrer, sendo necessário fazer rescaldo em algumas zonas.

Vamos continuar os trabalhos a ver se resolvemos a situação, existindo também zonas em que é necessário fazer o rescaldo. A situação tem estado a evoluir de forma favorável e já temos o perímetro do incêndio controlado”, acrescentou a mesma fonte.

O CDOS referiu ainda que não tem registo de feridos e que já não existem habitações ou povoações em risco.

Este fogo deflagrou às 15:50, na localidade de Sobrado de Paiva, e esteve próximo de habitações.

De acordo com o comandante Joaquim Rodrigues, da corporação de Castelo de Paiva, as chamas evoluíram em zona de eucalipto e mato. O combate foi difícil por se tratar de uma "zona muito acidentada".

Já ardeu uma área imensa que não consigo agora quantificar", afirmou o comandante.

O presidente da Câmara de Castelo de Paiva, Gonçalo Rocha, adiantou que este fogo afetou uma zona "completamente diferente" do grande incêndio de outubro de 2017, que destruiu cerca de metade da mancha florestal do concelho.

Além do autarca de Castelo de Paiva, esteve também no terreno o presidente da Câmara de Arouca.