Cento e cinco peões morreram nas estradas portuguesas em 2018, mais 14% do que em 2017, e cerca de metade tinha mais de 65 anos, revelou, esta quarta-feira, a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

O relatório anual da ASNR adianta que mais de metade (80) dos peões morreu dentro das localidades, tendo os acidentes ocorrido na sua maioria em arruamentos (62) e em estradas municipais (27).

Dos 105 peões mortos, 37 estavam em plena faixa de rodagem, 13 a sair ou entrar num veículo, 12 a atravessar em passagem sinalizada e 11 fora da passadeira.

Também os peões que sofreram ferimentos graves aumentaram em 2018, tendo ficado gravemente feridos 431, mais cinco do que no ano anterior.

Os peões foram os únicos a registar um aumento do número de mortos no ano passado, tendo os condutores diminuído quase 4% em relação a 2017, enquanto os passageiros diminuíram menos um.

Segundo o mesmo documento, no ano passado morreram 339 condutores e 64 passageiros.

O relatório de 2018, só hoje divulgado, indica que no ano passado se registaram 34.235 acidentes com vítimas, de que resultaram 508 vítimas mortais ocorridas no local do acidente ou durante o transporte até ao hospital, 2.141 feridos graves e 41.356 feridos ligeiros.

Em relação a 2017, a ANSR sublinha que se registou menos 181 acidentes com vítimas (-0,5%), menos duas vítimas mortais (-0,4%), menos 57 feridos graves (-2,6%) e menos 431 feridos leves (-1,0%).

No início do ano, dados provisórios da Segurança Rodoviária indicavam que os acidentes rodoviários e o número de mortos tinham aumentado em 2018 face a 2017, designadamente mais três mortos e mais 2.170 desastres.